Publicado o Decreto-Lei do roubo no tempo de serviço-Presidente da República promulgou contagem de tempo dos professores-Consulta aos Educadores e Professores de 11 a 20 de março - Questionário Online-Concurso Externo/Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento-Aviso de Abertura do Concurso 2019/2020-Organizações sindicais de professores entregam Petição com mais de 60 000 assinaturas e reúnem com os grupos parlamentares para entregarem proposta que governo recusou discutir e analisar-Vagas para Progressão ao 5º e 7º Escalões da Carreira Docente-Ministério da Educação convoca reunião para 4 de março; Organizações sindicais pedem esclarecimento sobre agenda concreta-Governo ergue muro de intransigência, mente sobre posições sindicais e bloqueia negociação-Concursos de Pessoal Docente na Região Autónoma dos Açores

Sindicatos entregaram novos pré-avisos de greve, até 13 de julho

Sindicatos entregaram novos pré-avisos de greve, até 13 de julho

Sindicatos de Professores promovem Conferência de Imprensa hoje, às 16 horas, para divulgação de dados da adesão nacional e balanço do dia de  greve

 

Hoje, dia 18 de junho, os professores iniciam uma Greve às Avaliações convocada por ASPL, FENPROF, FNE, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB  e SPLIU. Prevê-se que a greve tenha impacto na generalidade das escolas portuguesas. Esta greve, que se inicia hoje, dia 18 de junho,  prolongar-se-á até ao final do mês e, hoje mesmo, foram entregues novos pré-avisos diários para que, caso seja necessário, a greve se prolongue em julho. Para já, os pré-avisos referem-se aos dias 2 a 13 de julho.

A greve mantém-se porque, depois da reunião de 4 de junho, com o Ministro da Educação, e apesar das declarações do Primeiro-Ministro na Assembleia da República, às organizações sindicais não chegou qualquer nova posição do Governo, não tendo sido retomadas as negociações, onde a recuperação dos 9 anos, 4 meses e 2 dias tem sido aspeto central, mas também os horários de trabalho e a aposentação se incluem nos seus objetivos centrais.

Entretanto, enquanto assistimos à apresentação de uma proposta do Governo Regional da Madeira para recuperar todo o tempo de serviço dos professores, o Governo da República tem preferido emitir informações ilegais que, a serem postas em prática, violarão gravemente o direito à greve por parte dos professores.

O que se exige do Governo que Tiago Brandão Rodrigues integra é que resolva o problema que está criado, da única forma aceitável: cumprindo o compromisso que assumiu, respeitando a Lei do Orçamento do Estado e tendo em conta a posição da Assembleia da República. Até que isso aconteça, os professores manter-se-ão em luta.

As organizações sindicais de professores que convocaram a greve promoverão uma Conferência de Imprensa, pelas 16 horas, onde será feito o balanço do primeiro dia de greve, que ainda decorrerá, e divulgados os dados de adesão à greve em todo o país.

Lisboa, 18 de junho de 2018

As organizações sindicais de professores e educadores
ASPL – FENPROF – FNE – PRÓ-ORDEM – SEPLEU – SINAPE – SINDEP – SIPE – SIPPEB – SPLIU

 

Pré-Avisos de Greve – 2 a 13 de julho

 

Manual da Greve às Avaliações